Início

Fobos, uma das luas de Marte, se chocará contra o Planeta Vermelho, segundo a NASA

Novas imagens feitas pela sonda Perseverance ajudam a entender processo que resultará na destruição do satélite natural marciano
Por History Channel Brasil em 20 de Maio de 2022 às 19:08 HS
Fobos, uma das luas de Marte, se chocará contra o Planeta Vermelho, segundo a NASA-0

Fobos, uma das luas de Marte, está condenada à destruição. Segundo cálculos da NASA, o satélite natural se aproxima de forma constante do planeta, e eventualmente se chocará contra ele. Mas esse impacto final só deve acontecer dentro de algumas dezenas de milhões de anos.

Eclipse solar marciano

À medida que Fobos circula Marte, sua gravidade exerce pequenas forças de maré no interior do Planeta Vermelho, deformando levemente as rochas na crosta e no manto do planeta. Essas forças também mudam lentamente a órbita do satélite natural. "Fobos está se aproximando de Marte a uma taxa de 1,8 metro) a cada cem anos; nesse ritmo, ou colidirá com o planeta em 50 milhões de anos ou se desintegrará", diz a página da NASA sobre o satélite.

Observações de eclipses solares em Marte feitas nas últimas décadas estão ajudando os cientistas a entender melhor essa "espiral da morte" a qual Fobos está destinada. No mês passado, as lentes da sonda Perseverance fizeram as imagens mais recentes de uma longa história de dispositivos espaciais da NASA registrando esses fenômenos no Planeta Vermelho. Em 2004, os rovers Spirit e Opportunity tiraram as primeiras fotos de Fobos durante um eclipse solar. Mais tarde, o sistema de câmeras da sonda Curiosity fez vídeos do fenômeno.

Agora, a Perseverance, que desembarcou no Planeta Vermelho em fevereiro de 2021, fez o vídeo mais detalhado de um eclipse solar marciano até agora. “Eu sabia que ia ser bom, mas não esperava que fosse tão incrível”, disse Rachel Howson, que faz parte da equipe que opera as câmeras do dispositivo.  “Você pode ver detalhes no formato da sombra de Fobos, como cristas e saliências na paisagem da lua”, disse Mark Lemmon, astrônomo planetário do Instituto de Ciências Espaciais em Boulder, Colorado. “É legal que podemos ver este eclipse exatamente como a sonda o viu de Marte”, completou.

Fontes
NASA e IFLScience
Imagens
iStock