Início

Amigas de infância separadas pelo nazismo se reencontram após 82 anos

Fugindo da perseguição aos judeus, as famílias de ambas foram parar em diferentes pontos do planeta
Por History Channel Brasil em 26 de Novembro de 2021 às 16:26
Amigas de infância separadas pelo nazismo se reencontram após 82 anos-0

Duas amigas de infância separadas pelo nazismo se reencontraram após 82 anos nos Estados Unidos. Betty Grebenschikoff e Ana María Wahrenberg haviam se visto pela última vez quando tinham 9 anos, ao se despedir no pátio da escola que frequentavam, em Berlim, na Alemanha. As famílias de ambas tiveram que fugir do país devido à perseguição aos judeus.

Reencontro emocionante

As amigas procuraram uma a outra durante décadas, vasculhando bancos de dados e buscando informações de qualquer pessoa que pudesse saber de algo. Como ambas haviam mudado de nome depois de adultas, a tarefa tornou-se ainda mais difícil. Elas finalmente se encontraram por meio da Fundação USC Shoah, organização sem fins lucrativos fundada por Steven Spielberg, que produz e preserva testemunhos audiovisuais de sobreviventes do Holocausto.

Betty Grebenschikoff
Betty Grebenschikoff

Uma pessoa que trabalha na entidade notou similaridades entre os depoimentos de ambas e colocou as amigas em contato. Assim, elas puderam desvendar o paradeiro uma da outra após a dolorosa despedida.  Betty Grebenschikoff estava entre os 20 mil judeus europeus que fugiram para Xangai, na China, e atualmente mora na Flórida. Já Ana María fugiu com a família para Santiago, no Chile, onde ainda vive.

Ana María Wahrenberg
Ana María Wahrenberg

O primeiro reencontro entre elas, promovido pela Fundação USC Shoah, pelo Museu do Holocasto da Flórida e pelo Museu Judeu do Chile, aconteceu por vídeo-chamada no ano passado. Agora, aos 91 anos, elas se reuniram pessoalmente na Flórida. Durante quatro dias  as amigas voltaram a ser inseparáveis, fazendo compras, compartilhando almoços e jantares, além de colocar a conversa em dia.

“Foi como se nunca tivéssemos nos separado”, disse Wahrenberg. “Não somos as meninas que éramos quando tínhamos 9 anos, com certeza, mas continuamos rindo como se fôssemos crianças”, afirmou Grebenschikoff. As duas também beberam muito champanhe para comemorar o reencontro.

Fontes
Washington Post
Imagens
Betty Grebenschikoff/Acervo Pessoal, Museu Judaico Interativo do Chile e e Jennifer Grebenschikoff/Acervo Pessoal