Início

Brasileiro é condenado por postar conteúdo neonazista em rede social russa

Durante as investigações, a PF localizou as origens das postagens em um dispositivo em Itapecerica da Serra
Por History Channel Brasil em 20 de Dezembro de 2021 às 09:35 HS
Brasileiro é condenado por postar conteúdo neonazista em rede social russa-0

Um homem de 29 anos foi condenado a quatro anos de prisão por incitação ao nazismo. Welker de Oliveira Guerreiro havia sido denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) devido a uma série de postagens feitas em uma rede social russa. De acordo com a decisão da juíza Andréia Moruzzi, substituta na 1.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, os conteúdos compartilhados ‘exaltam símbolos nazistas, segregacionistas e de superioridade da uma raça’. Ele poderá recorrer da sentença em liberdade.

Grupo extremista

Guerreiro foi acusado de criar uma página chamada Misanthropic Division (Brasil) em uma rede social russa, em 2015. O nome faz referência a um grupo paramilitar de extrema-direita que emergiu no contexto das revoltas nacionalistas na Ucrânia em 2014.  Segundo a defesa do acusado, ele criou a página por engano ao tentar fazer pesquisas sobre o assunto.

De acordo com o MPF, o Misanthropic Division exerce influência em grupos neonazistas de todo o mundo e já chegou a recrutar membros no Brasil. O réu foi identificado por uma série de ações de cooperação entre as polícias do Brasil e da Rússia. Durante as investigações, a Polícia Federal localizou as origens das postagens em um dispositivo em Itapecerica da Serra, em São Paulo.

No perfil que criou na plataforma, Guerreiro aparecia com o rosto coberto pelo desenho de um crânio com dois ossos cruzados, a chamada ‘caveira da morte’, usada na identificação de unidades do regime totalitário alemão, entre elas a SS, o braço armado do partido de Hitler. Em 2011, o acusado já havia sido condenado a cumprir serviços comunitários por fazer parte de um grupo de neonazistas que agrediram moradores de rua de São Paulo.

Fontes
O Globo e Estadão
Imagens
Redes Sociais/Reprodução