Início

"Maldição do faraó" teria feito o navio encalhar no Canal de Suez

Incidente teria origem no desfile de múmias no Cairo
Por History Channel Brasil em 07 de Abril de 2021 às 16:03
"Maldição do faraó" teria feito o navio encalhar no Canal de Suez-0

O navio Ever Given deixou o mundo em suspense por uma semana ao encalhar no Canal de Suez, no Egito. Ao obstruir a passagem, ele impediu a circulação de bilhões de dólares em mercadorias. A causa do incidente ainda não foi totalmente esclarecida, mas uma teoria da conspiração garante que foi tudo culpa da "maldição do faraó".

Desfile de Múmias

A explicação sobrenatural tem origem no desfile de múmias que aconteceu recentemente no Cairo. O navio encalhou poucas semanas antes do evento, quando os restos mortais de alguns dos faraós mais importantes do Egito foram transferidos para um novo museu. Segundo a teoria da conspiração, isso teria perturbardo o descanso real dos antigos governantes.

Ao todo, os restos mortais de 18 faraós e quatro rainhas foram expostos no evento. Cada sarcófago foi carregado em veículos especiais, semelhantes a carruagens modernas. No desfile, os restos mortais foram apresentados em ordem cronológica: de Seqenenre Taa II, governante da 17ª dinastia, até Ramsés IX, que reinou no século 12 a.C.

De acordo com a teoria da conspiração, o deslocamento das múmias também teria sido a causa de outras tragédias recentes no Egito. Entre elas, está o desmoronamento de uma estrutura maciça de 10 andares na ponte de Suez, vários incêndios em Minya, e uma colisão fatal de trem na província de Sohag. Tudo isso estaria relacionado com uma antiga maldição dizendo que "a morte virá rapidamente sobre asas para aqueles que perturbam a paz do faraó".

Lendas sobre maldições de faraós não são novidade no Egito. A mais famosa envolve a abertura da tumba de Tutancâmon, que teria provocado uma série de mortes. As trombetas do mesmo faraó também teriam provocado o início de diversas guerras, segundo a tradição popular.

VER MAIS:


Fonte: Jerusalem Post

Imagens: Ministério das Antiguidades do Egito e Wikimedia Commons