Início

Navios-fantasma da Segunda Guerra vêm à tona após erupção vulcânica

Acredita-se que sejam embarcações da Marinha do Japão afundadas durante a batalha de Iwo Jima
Por History Channel Brasil em 03 de Novembro de 2021 às 15:58
Navios-fantasma da Segunda Guerra vêm à tona após erupção vulcânica-0

Vinte e quatro navios afundados durante a Segunda Guerra Mundial vieram à tona ao largo da costa da Ilha Iwo Jima, no Japão. Os barcos teriam naufragado após uma das batalhas mais famosas do conflito. O ressurgimento das embarcações foi provocado pela atividade vulcânica subaquática registrada no arquipélago de Ogasawara. 

Batalha de Iwo Jima

Especialistas apontam que os navios japoneses foram naufragados pela Marinha dos Estados Unidos durante a Batalha de Iwo Jima, em 1945, um dos conflitos mais sangrentos da Segunda Guerra Mundial. No ataque, que durou 36 dias, cerca de 70 mil fuzileiros navais dos EUA lutaram contra 20 mil soldados japoneses escondidos em bunkers dentro das rochas vulcânicas da ilha. 
 

Navios da Segunda Guerra vieram à tona

Ao final da batalha, 20 mil fuzileiros dos EUA foram feridos e quase sete mil morreram. Quase todos os soldados japoneses, exceto 216 capturados vivos, foram mortos em combate. Os destroços que voltaram à tona são restos de navios de transporte que foram capturados pela Marinha dos EUA e deliberadamente afundados no rescaldo da batalha. Como Iwo Jima não tinha porto, os navios foram afundados paralelamente à costa para formar um quebra-mar, protegendo as tropas das ondas do Oceano Pacífico.

Os navios voltaram à superfície devido à atividade do vulcão subaquático Fukutoku-Okanoba, que está em erupção desde agosto. Além de empurrar as embarcações para a superfície, a atividade sísmica produzida levou ao surgimento do mar de uma pequena ilha em forma de lua crescente. Formada com pedra-pomes e cinzas vulcânicas, a formação deve desaparecer em breve devido à erosão, de acordo com Setsuya Nakada, diretor do Centro de Pesquisa Integrada de Vulcões do governo japonês.

Fontes
Live Science
Imagens
Courtney White/Fuzileiros Navais dos Estados Unidos e ANN/Reprodução