Início

No Bunker de Hitler: os últimos instantes do assassino

Autor
Thiago Gomide do Tá na História

No Bunker de Hitler: os últimos instantes do assassino - 1

O nazismo já tinha ido para o buraco quando Hitler resolveu se refugiar em um bunker. Estamos no começo de 1945.

Podia-se ter a imaginação, o desejo que iria reverter a derrota, mas era pura ilusão. A Segunda Guerra estava decidida. Sobrava esperar a chegada dos adversários.  

O exército soviético já tinha feito estragos grandes. Estados Unidos, por outro lado, também já avançavam rumo à capital, ao coração dos nazistas.

Em março, Hitler até mandou atacar os soviéticos na Hungria para tentar manter o controle dos poços de petróleo, tão importantes para a manutenção de tanques, e foi um massacre. Milhares de homens mortos e perda de centenas de Panzers.

Traições rolavam aos montes. 

Essa tensão fazia Hitler andar curvado, uma mudança de humor repentina, mais e mais violento, gritando muito.

Culpava com frequência os generais pela situação que estava vivendo.

Some a isso remédios, mais remédios, cocaína e metanfetamina. Injeções para dores. Hitler vivia dopado.

Se no começo de 1945, Hitler saia algumas vezes para reuniões... em abril, ele já quase não botava a cara para fora. O aniversário dele, em 20 de abril, é o último registro de uma caminhada.

O bunker ficava 10 metros abaixo do solo. Fundo, bem fundo. 

Tinha muita umidade, calor, ventilação precária, fedia, claustrofóbico, tinha problema de iluminação e era barulhento.

Várias lideranças e empregados dividiam aquele pedaço de inferno. 

A Erna Flegel, enfermeira do Hitler, e a Constanze Manziarly, que era a cozinheira, são duas das dezenas de pessoas que lá estavam ou passavam. 

Quer saber como foram os últimos momentos de Hitler? Como foi o casamento dele com Eva Braun? Quem também se matou no bunker? Qual foi o fim do esconderijo? O Tá na História responde essas e muitas outras perguntas. Aperte o play!


THIAGO GOMIDE é jornalista e pesquisador. Foi apresentador e editor do Canal Futura e da MultiRio, ambos dedicados à educação. Escreveu e dirigiu o documentário "O Acre em uma mesa de negociação". Além de ser o responsável pelo conteúdo do Tá na História, atualmente edita e apresenta o programa A Rede, na Rádio Roquette Pinto ( 94,1 FM - RJ). 

A proposta do Tá na História é oferecer conteúdos que promovam conhecimento sobre personagens e fatos históricos, principalmente do Brasil. Tudo isso, claro, com bom humor e muita curiosidade. 


Imagem: Everett Collection / Shutterstock.com