Início

O bunker de Hitler: o que aconteceu com o esconderijo e por que ninguém podia visitá-lo?

Que fim levou a rede túneis onde o líder nazista se refugiou, entre odores nauseabundos e superlotação, até o dia de sua morte
Por History Channel Brasil em 20 de Janeiro de 2022 às 13:20
O bunker de Hitler: o que aconteceu com o esconderijo e por que ninguém podia visitá-lo?-0

O último refúgio de Adolf Hitler após 12 anos no poder na Alemanha era conhecido como "Führerbunker". A estrutura consistia em uma rede de túneis que formavam um refúgio antiaéreo enterrado a quase nove metros, nos jardins da Chancelaria, em Berlim. Que fim levou esse local? 

A história dos bunkers de Hitler

Sob o terreno onde ficava situada a Chancelaria da Alemanha, em Berlim, foram construídos dois refúgios antibombas. O primeiro em 1936, quando ninguém imaginava ainda uma invasão à Polônia, ou a guerra com a União Soviética, ou muito menos os atrozes campos de extermínio.

Enterrado a mais de cinco metros de profundidade, com uma extensão de mais de 300 metros quadrados e um teto de concreto de 1,6 metros de espessura, o bunker, que todos chamavam de Vorbunker, tinha pequenos quartos, uma sala com geradores elétricos, comunicações, cozinha e despensa. 

Modelo tridimensional da Chancelaria e do complexo de bunkers (em vermelho).
Modelo tridimensional da Chancelaria e do complexo de bunkers (em vermelho)


Em 1943, o Füherbunker começou a ser construído, a quase nove metros abaixo da Chancelaria, com uma saída de emergência para os jardins, algo que Hitler aproveitou em várias ocasiões para tomar um ar e aliviar os efeitos da umidade, fungos e odores nauseabundos gerados por dezenas de pessoas ali refugiadas. 

Esse bunker contava com geradores elétricos a diesel, mas diferentemente do primeiro, o Führerbunker foi construído abaixo do lençol freático, e os ralos ficavam entupidos à medida que a umidade penetrava pelas paredes de concreto, o que acontecia pelo simples motivo de nunca ter sido projetado para ser habitado, mas apenas como abrigo temporário.

Modelo do Führerbunker (esquerda) e do Vorbunker (direita)
Modelo do Führerbunker (esquerda) e do Vorbunker (direita)


Na madrugada de domingo, 29 de abril de 1945, imediatamente após se casar com Eva Braun no Führerbunker, Hitler começou a ditar à sua secretária seu último desejo e breve testamento. Para evitar a vergonha da destituição ou da capitulação, minha esposa e eu escolhemos a morte”, sentenciou Hitler, que, desde 16 de janeiro, pouco antes de assumir a derrota da Alemanha na Segunda Guerra Mundial, havia se refugiado em seu bunker e não tinha voltado a sair.

No dia seguinte, por volta das 15h30, os recém-casados se suicidaram em seu quarto. Passaram-se 48 horas para o exército soviético tomar definitivamente a cidade de Berlim, e a guerra chegou ao seu fim. Em 1947, apesar de os soviéticos terem destruído a Chancelaria de Berlim e tentarem dinamitar o bunker, a complexa rede de túneis se manteve praticamente intacta. 

Ruínas do Führerbunker
Ruínas do Führerbunker

Em 1959, a Alemanha Oriental começou a demolir os túneis e a fechá-los parcialmente, até que, em 1989, com a queda do Muro de Berlim, a Alemanha reunificada iniciou novas escavações, com o propósito de demolir definitivamente o refúgio. Por anos, a área dos bunkers permaneceu sem nenhum tipo de identificação, especialmente para evitar que o local se transformasse em um centro de peregrinação neonazista. Apenas em 2006, o governo colocou uma placa informativa sobre as instalações que funcionavam ali. 

Placa informativa sobre o bunker
Placa informativa sobre o bunker
Fontes
La Nación
Imagens
Domínio Público, via Wikimedia Commons