Início

Acontecem as primeiras eleições multirraciais da África do Sul

Acontecem as primeiras eleições multirraciais da África do Sul-0

Em 27 de abril de 1994, mais de 22 milhões de sul-africanos votaram nas primeiras eleições parlamentares multirraciais do país. Uma esmagadora maioria escolheu o líder anti-apartheid Nelson Mandela para liderar um novo governo de coalizão que incluía o seu Partido do Congresso Nacional Africano, o Partido Nacional do ex-presidente F.W. de Klerk e o Partido da Liberdade Inkatha, do líder zulu Mangosuthu Buthelezi. Em maio, Mandela tomou posse, tornando-se o primeiro chefe de estado negro da África do Sul. 

Em 1944, Mandela, um advogado, ingressou no Congresso Nacional Africano (CNA), a mais antiga organização política negra da África do Sul, quando se tornou o líder da ala juvenil de Joanesburgo. Em 1952, ele se tornou vice-presidente nacional do Congresso, defendendo a resistência não violenta ao sistema institucionalizado de apartheid em uma África do Sul de supremacia branca e segregação racial. No entanto, após o massacre de manifestantes pacíficos negros em Sharpeville, em 1960, Mandela ajudou a organizar uma facção paramilitar do CNA para se engajar na guerrilha contra o governo de minoria branca. 

Em 1961, ele foi preso por traição, e, embora absolvido, foi preso novamente em 1962 por ter deixado o país ilegalmente. Condenado e sentenciado a cinco anos na prisão de Robben Island, ele foi novamente julgado em 1964 por acusações de sabotagem. Em junho daquele ano, foi condenado junto a outros líderes do CNA e sentenciado à prisão perpétua.

Mandela passou os primeiros 18 dos seus 27 anos na prisão confinado em uma cela sem uma cama ou encanamento, e sendo obrigado a trabalhar em uma pedreira. Ele podia escrever e receber uma carta a cada seis meses, e uma vez ao ano, podia receber uma visita por 30 minutos. No entanto, a resolução de Mandela permaneceu inabalada, e, mesmo sendo um líder simbólico do movimento anti-apherteid, liderou um movimento de desobediência civil na prisão, o que levou as autoridades sul-africanas a melhorar drasticamente as condições na Robben Island. Ele foi levado a outro local posteriormente, onde viveu em prisão domiciliar. 

Em 1989, F.W. de Klerk se tornou o presidente da África do Sul, e iniciou o desmantelamento do apartheid. De Klerk suspendeu as execuções do CNA e em fevereiro de 1990 ordenou a soltura de Nelson Mandela. 

Mandela posteriormente liderou o CNA em suas negociações com o governo minoritário para o fim do apartheid e o estabelecimento de um governo multirracial. Em 1993, Mandela e de Klerk foram agraciados com o Prêmio Nobel da Paz. Um ano depois, o CNA conquistou a maioria eleitoral nas primeiras eleições livres do país e Mandela foi eleito presidente da África do Sul, cargo que ocupou até 1999.


Imagem: Paul Weinberg, via Wikimedia Commons