Hoje na história

21.ago.1911

Descoberto o "descarado" roubo do quadro Mona Lisa, no Louvre

Um pintor amador estava montando o seu cavalete perto do quadro da Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, no Louvre, em Paris, quando notou, em um dia como este, no ano de 1911, que uma das mais conhecidas obras de arte do mundo simplesmente não estava mais ali. Considerado um dos roubos mais "descarados" de obra de arte dos últimos tempos, o crime foi cometido no dia anterior por Vincenzo Perugia. Ele entrou no Louvre, retirou a pintura famosa da parede, escondeu-a sob suas roupas e escapou. O roubo deixou a França atordoada e muitas teorias surgiram para explicar o que poderia ter acontecido com a inestimável obra de arte.
 
A maioria acreditava que isso não poderia ser obra de ladrões profissionais, já que seria arriscado demais tentar vender a obra mais famosa do mundo. Um rumor era de que tudo seria obra dos alemães para humilhar os franceses.
 
Dois anos se passaram sem que fosse encontrada nenhuma pista do crime. Apenas em novembro de 1913, o negociante de arte italiano Alfredo Geri recebeu uma carta de um homem chamado Leonardo. Ele indicou que a Mona Lisa estava em Florença, na Itália, e exigia um resgate pela obra. Quando Perugia tentou receber o dinheiro, foi capturado. A pintura estava intacta.
 
Perugia, era um ex-funcionário do Louvre, que disse ter agido por motivos patrióticos para vingar a Itália. Contudo, ele já havia sido condenado por roubos anteriores e possuía uma lista de colecionadores de arte, o que indicou que a ganância também teria motivado o crime. Perugia foi condenado a sete anos de prisão e depois serviu ao exército italiano durante a Primeira Guerra Mundial. A Mona Lisa retornou ao Louvre, onde hoje se encontra sob um intenso esquema de segurança.
 

Imagem: [Domínio público], via Wikimedia Commons