Hoje na história

04.ago.2012

Oscar Pistorius é o primeiro velocista amputado a disputar uma Olimpíada

Em um dia como este, nos Jogos Olímpicos de Londres, o sul-africano Oscar Pistorius se tornou o primeiro amputado a competir em uma Olimpíada, ao disputar a prova masculina dos 400 metros. Pistorius terminou sua eliminatória na segunda colocação, entre cinco corredores, e avançou à semifinal, onde ficou no oitavo lugar, entre oito participantes e acabou eliminado para a disputa do ouro. Apelidado de “Blade Runner”, Pistorius inspirou muitos ao redor do mundo. Contudo, sua imagem de herói foi drasticamente derrubada quando, em fevereiro de 2013, ele foi preso pelo assassinado da sua namorada, a modelo Reeva Steenkamp, de 29 anos.
 
Nascido no dia 22 de novembro de 1986, Pistorius nasceu sem a fíbula em ambas as pernas e teve dupla amputação dos membros inferiores, abaixo do joelho, quando tinha apenas 11 meses de idade - os médicos aconselharam seus pais a fazer isso antes que ele aprendesse a andar. Ele cresceu usando próteses nas pernas e participou de inúmeros esportes.
 
Em 2004, disputou os Jogos Paralímpicos de Atenas, onde conquistou a medalha nos 200 metros e bronze nos 100 metros. A partir dali, compeçou a competir com atletas não deficientes. Pistorius chegou a ser banido de competições com atletas sem deficiência, mas acabou vencendo a causa no Tribunal Arbitral do Esporte, em 2008.
 
Naquele mesmo ano, ele disputou os jogos Paralímpicos em Pequim, na China, onde levou o ouro nas provas de 100, 200 e 400 metros. Em 2012,  conseguiu a vaga para competir em Londres com a equipe da África do Sul. Além da prova para não deficientes dos 400 metros, ele também estava escalado para competir no revezamento 4x400. Contudo, um companheiro de sua equipe se chocou com um corredor do Quênia antes que o bastão pudesse ser passado para Pistorius, e o time da África do Sul não terminou a prova. Nos jogos Paralímpico de Londres, ele conquistou medalhas de ouro nos 400 metros e no revezamento 4x100, além da medalha de bronze nos 200 metros.
 
Contudo, sua carreira promissora e a boa imagem que havia construído foram por água abaixo com o episódio da morte da sua namorada. Pistorius alega que confundiu Steenkamp com um intruso em sua casa e a matou. O crime fez com que empresas como a Nike e a Oakley cancelassem seus contratos publicitários com o atleta.
 
 

Imagem: via Wikimedia Commons