IMPÉRIO ROMANO

Achado extraordinário: a armadura romana mais antiga e completa da história

Arqueólogos alemães se depararam com a armadura romana mais antiga e mais completa encontrada até hoje. Estima-se que as placas de metal que compunham a peça tenham pouco mais de dois mil anos, datando da época de Augusto, o primeiro imperador de Roma. O artefato foi localizado no sítio arqueológico de Kalkriese, onde aconteceu a Batalha da Floresta de Teutoburgo, no ano 9 d.C.

A armadura encontrada é do tipo lorica segmentata ("armadura segmentada", em latim). O nome "segmentata" faz referência aos 26 segmentos de metal que formavam o equipamento, projetado para proteger o abdômen, o tórax, as costas e os ombros. As placas, normalmente de ferro, eram encaixadas umas nas outras e ligadas, por trás, por cintas de couro, chamadas antigamente de loros, ou correias de couro cru. Essas armaduras começaram a ser usadas por legionários rasos e centuriões por volta do século I d.C. Segundo os especialistas do Museu e Parque Kalkriese, devido ao seu estado de preservação excepcionalmente bom, a armadura encontrada agora oferece novas informações a respeito da tecnologia militar romana. 


(Ilustração: Roland Warzecha/Museu e Parque Kalkriese )

Embora essas armadura tenham sido usadas por soldados do exército romano durante séculos, poucas delas foram encontradas anteriormente. Até agora, as peças mais antigas do tipo haviam sido descobertas em Corbridge, no norte da Inglaterra, onde havia um assentamento romano nas proximidades da Muralha de Adriano. Mas elas datam do século II d.C., sendo, portanto, mais recentes do que a encontrada na Alemanha.

A armadura está sendo submetida a um complexo processo de restauração. As placas na região do ombro e do tórax foram removidas do bloco de terra onde foram encontradas e algumas delas já foram restauradas. As placas do abdômen que ainda estão no bloco são as próximas da fila. 

Junto com a armadura também foi encontrado um instrumento usado para prender as mãos de prisioneiros em volta do pescoço. De acordo com especialistas, as descobertas sugerem que o soldado que usava a armadura morreu no local da batalha enquanto estava imobilizado pelo instrumento, provavelmente após ter sido dominado pelos germânicos. "No momento, só podemos especular sobre as circunstâncias que envolveram sua morte", diz um comunicado do Museu e Parque Kalkriese.

A Batalha da Floresta de Teutoburgo, também chamada de Desastre de Varo, aconteceu durante o outono do ano 9 d.C. Uma aliança de tribos germânicas chefiada por Armínio, da tribo dos queruscos, emboscou e dizimou três legiões romanas, lideradas por Públio Quintílio Varo, governador da Germânia. Foi um ato de traição de Armínio, que até então era aliado de Varo. Como consequência, a batalha estabeleceu o rio Reno como fronteira do Império Romano pelos séculos seguintes, fato que estabeleceu uma importante distância entre as culturas romana e germânica.


Fonte: Museu e Parque Kalkriese

Imagens: Shutterstock.com e Museu e Parque Kalkriese