RELIGIÃO

Arqueólogos descobrem menção mais antiga do nome de Cristo em "carta a Deus"

O diretor do Instituto Arqueológico da Sérvia, Miomir Korac, relatou a descoberta de uma intrigante folha de prata no sítio arqueológico onde ficava a antiga cidade romana de Viminacium, capital da província da Moesia (atual Sérvia). O artefato, que tem cerca de 1800 anos, pode conter a citação mais antiga do nome de Cristo já identificada. Segundo o pesquisador, o objeto estava em um sarcófago de chumbo encontrado recentemente durante escavações no local.

A lâmina tem 5,3 centímetros de comprimento, 3,5 de largura e apenas 0,1 milímetro de espessura. O artefato estava no túmulo de uma menina de cerca de três anos; a folha havia sido dobrada sete vezes, e ao desdobrá-la, os pesquisadores distinguiram as letras gregas hi, teta, ni e ro. Os caracteres formam o que pode ser lido como HRIS, ou Hristos, que significa "salvador".

“Se for confirmada que a leitura da palavra HRIS está correta, então é a menção mais antiga de Cristo”, afirmou Korac.  Segundo ele, a lâmina seria uma “mensagem para os poderes superiores”, uma espécie de carta para Deus, com o objetivo de pedir proteção à menina na vida após a morte. O texto foi escrito no alfabeto grego antigo, em uma combinação de letras e símbolos.

Os arqueólogos dizem que o sarcófago onde ela foi enterrada tem um estilo característico de Jerusalém, o que indicaria que a família da criança era originária do Oriente Médio. Outros dois sarcófagos semelhantes foram encontrados no mesmo local durante as escavações. Os pesquisadores ficaram surpresos com o estado de preservação dos túmulos.


Fonte: Curiosmos

Imagem: Shutterstock.com