ESPAÇO

Astrônomo de Harvard insiste que Oumuamua é um objeto criado com tecnologia alienígena

Por: HISTORY Brasil

Abraham "Avi" Loeb, astrônomo da Universidade de Harvard, afirma em seu novo livro que encontrou evidências da existência de tecnologia alienígena no Sistema Solar. Na obra, ele reafirma sua hipótese de que o Oumuamua, primeiro objeto interestelar observado pelo homem, não é um um gigantesco iceberg de hidrogênio molecular. Para ele, trata-se de um artefato artificial criado com inteligência extraterrestre. 

As primeiras observações sobre o Oumuamua indicaram que sua órbita era muito excêntrica e sua velocidade extremamente alta para ser um objeto originário do Sistema Solar.  A princípio, acreditou-se que se tratava de um cometa, mas essa teoria foi descartada, já que ele não mostrava sinais de sublimação ou evaporação, o que faz com que os cometas tenham uma cauda característica que sempre aponta de maneira contrária ao Sol. 



Em seu livro, que se chama “Extraterrestrial: The First Sign of Intelligent Life Beyond Earth” ("Extraterrestre: o primeiro sinal de vida inteligente fora da Terra", em tradução livre), Loeb defende que já fomos visitados por algum tipo de tecnologia alienígena avançada e que o Oumuamua seria a prova disso. Anteriormente o pesquisador já havia levantado a hipótese de que o Oumuamua poderia ser "uma vela solar, flutuando no espaço interestelar como detrito cósmico de um equipamento tecnológico avançado".  Portanto, para ele o objeto seria uma peça de tecnologia avançada, criada por uma civilização alienígena distante. 

A invisibilidade de emissões gasosas, a falta de sinais de rádio ou amostra eletromagnética do Oumuamua fizeram com que Loeb chegasse à conclusão de que o objeto poderia ser um equipamento que há muito tempo não funciona. O cientista acredita que o artefato pode ter cumprido sua missão e hoje vaga sem rumo na imensidão do espaço. Em seu livro, Loeb diz ainda que outros cientistas não levam suas ideias a sério por causa do "pensamento de grupo".


Fontes: ABC e Live Science



Imagem: European Southern Observatory/M. Kornmesse