EXOPLANETAS

Astrônomos descobrem planeta do tamanho da Terra vagando pela Via Láctea

Astrônomos poloneses detectaram um exoplaneta do tamanho da Terra vagando pela Via Láctea. O objeto "flutuante" não está vinculado a nenhuma estrela. Batizado de OGLE-2016-BLG-1928, ele foi encontrado usando o telescópio Varsóvia, instalado no Observatório Las Campanas, no Chile.

Mais de quatro mil exoplanetas foram descobertos até hoje. Embora muitos deles não se assemelhem aos planetas do nosso sistema solar, esses objetos têm uma coisa em comum - todos orbitam uma estrela. No entanto, as teorias da formação e evolução planetária preveem a existência de planetas interestelares, que são gravitacionalmente desligados de qualquer estrela. Acredita-se que eles sejam abundantes em toda a galáxia, apesar de serem muito difíceis de detectar.

Raramente é possível observar exoplanetas diretamente. Normalmente, os astrônomos identificam esses objetos por meio da luz de sua estrela hospedeira. Mas, como os planetas interestelares não orbitam estrelas, eles não podem ser descobertos usando métodos tradicionais de detecção astrofísica. 

Apesar disso, esses planetas podem ser localizados com a ajuda de um fenômeno astronômico chamado microlente gravitacional. A microlente resulta da teoria da relatividade geral de Einstein: um objeto massivo (a lente) pode distorcer a luz de um objeto de fundo brilhante (a fonte). Assim, a gravidade da lente funciona como uma grande lupa que distorce e amplia a luz de estrelas distantes.

"As chances de observar eventos de microlentes são muito pequenas porque três objetos - fonte [de luz], lente e observador - devem estar quase perfeitamente alinhados", disse o autor principal do estudo, Przemek Mroz, pesquisador de pós-doutorado no Instituto de Tecnologia da Califórnia. "Nossa descoberta demonstra que planetas interestelares de baixa massa podem ser detectados e identificados usando telescópios terrestres", completou Andrzej Udalski, do projeto Optical Gravitational Lensing Experiment - OGLE (Experimento de Lente Ótica Gravitacional, em tradução livre).


Fontes: Space.com e Universidade de Varsóvia

Imagem: Jan Skowron//Observatório Astronômico/Universidade de Varsóvia