Aviação

Avião com design revolucionário pode mudar o futuro das viagens aéreas

A Universidade Tecnológica de Delft (TU Delft) e a companhia aérea holandesa KLM testaram pela primeira vez – com um modelo em escala e por controle remoto – o protótipo do avião Flying-V. Esse projeto, anunciado durante o encontro da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), em 2019, é apresentado pelos especialistas como “o avião energicamente eficiente do futuro”. 

O design revolucionário em formato em “V” comporta cabine de passageiros, porão de carga e tanques de combustível distribuídos nas asas do avião. De acordo com cálculos de computador, sua forma aerodinâmica aprimorada e o menor peso da aeronave reduzirão o consumo de combustível em até 20% em comparação com as aeronaves mais modernas de hoje.

Os pesquisadores levaram o protótipo do Flying-V para testes de voo em uma base aérea na Alemanha. O modelo em escala mede 3 m e pesa 22,5 kg. “Uma de nossas preocupações era que a aeronave pudesse ter alguma dificuldade para decolar, já que cálculos anteriores haviam mostrado que a rotação poderia ser um problema", disse Roelof Vos, líder do projeto. Para alívio dos engenheiros, a decolagem aconteceu com facilidade.  Em uma próxima etapa, a equipe irá utilizar os dados coletados durante o voo para desenvolver um modelo aerodinâmico virtual da aeronave. Com isso, será possível programá-la em um simulador de voo para uso em pesquisas futuras, melhorando ainda mais seu desempenho.

O presidente e CEO da KLM, Pieter Elbers, afirma que estamos no caminho de um futuro sustentável para a aviação. “Estávamos muito curiosos sobre as características de voo do Flying-V. O design se encaixa perfeitamente em nossa iniciativa de voar com responsabilidade, o que representa tudo o que estamos fazendo para melhorar nossa sustentabilidade”, acrescentou.

Segundo a empresa, o Flying-V será menor que o atual Airbus A350 e terá menos área de superfície em comparação ao avião francês, embora tenha a mesma capacidade para transporte de passageiros e carga. Apesar da diferença de tamanho, ambos os aviões têm a mesma envergadura. Isso permitirá que o Flying-V use a infraestrutura existente nos aeroportos, como portões e pistas, da mesma forma que qualquer outra aeronave. 


Fontes: La Nación e CNN

Imagens: TU Delft e KLM/Divulgação