LITERATURA BRASILEIRA

Bisneta de Monteiro Lobato retira trechos racistas da obra do escritor em nova adaptação

Há cem anos Monteiro Lobato publicava "A Menina do Narizinho Arrebitado", marco da literatura infantil brasileira. A obra apresentava os personagens do "Sítio do Picapau Amarelo", populares até hoje. Para marcar a data, a bisneta do autor, Cleo Monteiro Lobato, está lançando uma reedição atualizada que exclui passagens racistas do livro.

Desde o início dos anos 2000 os livros de Monteiro têm sido reavaliados e criticados devido a diversas situações problemáticas. Tia Nastácia, mulher negra que trabalha como cozinheira no Sítio, é frequentemente descrita com termos preconceituosos, por exemplo. Na nova versão da obra, esses trechos foram alterados e a personagem foi repaginada. "Retiramos todas as frases que consideramos de cunho preconceituoso, além de dar-lhe uma injeção de 'orgulho' através de um novo visual criado pelo ilustrador Rafael Sam", disse Cleo à Veja.

Cleo salienta que as mudanças não representam uma versão censurada dos textos de Monteiro Lobato. “A obra hoje está em domínio público. Nós não a desvirtuamos, porque a original continua lá, existindo e disponível. Se eu tenho a possibilidade de me posicionar de maneira positiva [por meio dos livros], eu escolho a mudança”, afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo.

Segundo Cleo, a essência da obra não foi modificada. Ela acredita que 98% do material original foi mantido."Minha intenção é que Lobato seja lido pelas próximas gerações, daqui a 80 ou 100 anos, sem ser associado ao racismo estrutural no Brasil”, disse Cleo à CNN. 


Fontes: Folha de S.Paulo, Veja e CNN

Imagem: Domínio Público, via Wikimedia Commons