MATRIX

Cada vez mais pesquisadores levantam possibilidades de vivermos na Matrix - Entenda

Por: HISTORY Brasil
O filme Matrix de 1999, escrito e dirigido pelos irmãos Wachowski, inaugurou uma nova era e propôs uma questão filosófica que se mantém há muitos séculos: seria o avanço da ciência o fim da espécie humana? Em 2001, o engenheiro especializado em mecânica quântica Seth Lloyd calculou o número de eventos ocorridos desde o Big Bang até o momento atual e concluiu que reproduzir as ocorrências ou a realidade seria impossível, pois exigiria mais energia do que o Universo possui. Entretanto, outros estudiosos são otimistas diante da possibilidade de criarmos uma realidade virtual, mesmo que imperfeita, onde não teríamos todos os detalhes abrigados pelo nosso subconsciente. 
 
Em 2003, o professor Nick Bostrom, catedrático de filosofia da Universidade de Oxford, publicou um artigo em que assegurava que a realidade vivida por nós poderia ser resultado de uma simulação da informática. Utilizando a teoria de Bostrom, uma equipe da Universidade de Washington tratou de criar simulações de nosso universo em pequena escala, com o objetivo de detectar os “erros” ou padrões que indicassem que o universo em que vivemos nada mais é do que uma ficção temporária e fisicamente limitada. Apesar de toda a tecnologia disponível atualmente, a recriação exata de um átomo do universo demorou meses. Consequentemente, a reprodução de um universo adequado para este estudo consumiria um período incalculável.
 
Atualmente, pesquisadores se dedicam a estudar os erros gerados através da própria micro simulação do universo com o objetivo de compará-los aos "erros da física" (situações inexplicáveis com relação à trajetória das partículas de raios cósmicos) e, através deles, talvez detectar padrões que ocorrem na simulação que vivemos. E o diretor da equipe de estudos, Martin Savage, vai mais longe quando diz que se habitamos uma simulação criada no futuro, pode ser que existam muitos outros universos simulados paralelos.
 
Veja também

 

 
 
 
 

 



Imagem: Shepelyansky (arXiv:1005.1395[cd.SE]) [CC0], via Wikimedia Commons