Tá Na História

Como o brutal assassinato de um senador no Rio de Janeiro mudou a política do Brasil

Por Thiago Gomide do Tá na História.

Parceria HISTORY e Tá Na História

O senador Pinheiro Machado mandou e desmandou na política brasileira por décadas. As escolhas, inclusive de quem disputaria a Presidência da República, passavam pela opinião dele.  

Hermes da Fonseca e Venceslau Brás foram dois dos presidentes que comemoram na mão de Pinheiro Machado.

Violento com a oposição, o “quero-quero dos pampas” não media esforços para prejudicar a imagem alheia e, em alguns casos, até chamava para a briga. 

Nas areias da praia de Copacabana, Pinheiro Machado enfrentou armado o jornalista Edmundo Bittencourt, dono do “Correio da Manhã”. Resultado: Bittencourt foi baleado e por pouco não passou dessa para uma melhor. 

Certa vez, o sambista João da Baiana teve seu pandeiro apreendido pela polícia.  Fato nada incomum. Amido do músico e amante do ritmo, Pinheiro Machado não pensou duas vezes e assinou o novo instrumento do rapaz. Nunca mais houve problemas. 

Todos temiam o senador. 

Todos menos um. 

Em 1915, ele foi assassinado pelas costas quando entrava em um famoso hotel no Rio de Janeiro.

Aperte o play que o Tá na História vai te contar os detalhes desse instigante personagem e dessa brutal morte.


THIAGO GOMIDE é jornalista e pesquisador. Foi apresentador e editor do Canal Futura e da MultiRio, ambos dedicados à educação. Escreveu e dirigiu o documentário "O Acre em uma mesa de negociação". Além de ser o responsável pelo conteúdo do Tá na História, atualmente edita e apresenta o programa A Rede, na Rádio Roquette Pinto ( 94,1 FM - RJ). 

A proposta do Tá na História é oferecer conteúdos que promovam conhecimento sobre personagens e fatos históricos, principalmente do Brasil. Tudo isso, claro, com bom humor e muita curiosidade. 


Imagem: Domínio Público, via Wikimedia Commons