ESPAÇO

Compostos orgânicos extraterrestres são encontrados em um meteorito

Em janeiro de 2018, um meteorito caiu em um lago congelado em Michigan, nos Estados Unidos. Com o uso de um radar meteorológico, cientistas conseguiram localizar seus fragmentos.  Depois de vários dias, eles puderam coletar diversos extratos, antes que sua composição química mudasse pela exposição à água.

De acordo com o estudo, publicado na revista “Meteoritics & Planetary Science”, os pesquisadores conseguiram observar a presença de compostos orgânicos extraterrestres que poderiam indicar como se iniciou a vida no planeta Terra. Os cientistas afirmaram que a descoberta foi “surpreendente”, já que se trata de um condrito H4, uma espécie pouco comum de meteorito que representa apenas 4% dos que caem na Terra.

"Este meteorito é especial porque caiu em um lago congelado e foi recuperado rapidamente. Estava em condições perfeitas. Pudemos ver que os minerais não foram muito alterados e mais tarde descobrimos que ele continha um rico inventário de compostos orgânicos extraterrestres", disse Philipp Heck, curador do Field Museum, professor associado da Universidade de Chicago e principal autor do estudo. "Esses tipos de compostos orgânicos provavelmente foram trazidos para a Terra em seus tempos primitivos por meteoritos e podem ter contribuído para os ingredientes da vida", completou.

Os cientistas não têm certeza de como os compostos orgânicos responsáveis pela vida na Terra chegaram aqui. Uma teoria é que eles chegaram por meio dos meteoritos. Isso não significa que os próprios meteoritos contenham vida extraterrestre: em vez disso, alguns dos compostos orgânicos que ajudam a formar a vida podem ter se formado primeiro em um asteroide que mais tarde caiu na Terra.

"Os cientistas que estudam meteoritos e o espaço às vezes são questionados: 'você já viu sinais de vida neles?' E eu sempre respondo, sim, todo meteorito é cheio de vida, mas terrestre, vida da Terra", disse Heck. "Assim que ele cai, fica coberto com micróbios e vida da Terra. Temos meteoritos que apresentam liquens crescendo neles. Portanto, o fato de esse meteorito ter sido coletado tão rapidamente depois de cair e de ter caído no gelo, em vez de em algum lugar sujo, ajudou a mantê-lo mais limpo", explicou.


 Fonte: Field Museum, via Phys.org

Imagens: Shutterstock.com e Field Museum/Reprodução