Tá Na História

Descobrimento do Brasil: Cabral foi enterrado com um carneiro?

Nome importante do período das Grandes Navegações, Pedro Álvares Cabral não tem o reconhecimento que merece
Por: Thiago Gomide do Tá na História

Os leitores já ouviram mil e uma histórias envolvendo Pedro Álvares Cabral e o “descobrimento” ou “encontro” com o Brasil.



Natural esse interesse acontecer, afinal a viagem foi uma epopeia para dar inveja em blockbuster: bandidos foram recrutados, naus desapareceram por causa de tormentas, ratos serviram como alimento e doenças apareceram aos montes, em especial o escorbuto.

Independente se Cabral errou o caminho rumo à Índia ou se estava realmente indo colonizar o que hoje conhecemos como Brasil, o fato é que aqueles 44 dias entre Lisboa e Porto Seguro não foram fáceis. A conquista merecia ter mais crédito.

Nome importante do período das Grandes Navegações, da expansão marítima portuguesa, Pedro Álvares Cabral não tem o reconhecimento preciso – nem no país mãe nem no país filho. Os restos mortais do também navegador Vasco da Gama, a título de comparação, estão enterrados no Mosteiro dos Jerônimos, construção imponente que nos leva ao melhor do estilo manuelino. Em contrapartida, o destino dos ossos de Cabral é um mistério que assombra até os dias de hoje.



No vídeo, o Tá na História te explica a saga dos enterros e exumações do corpo de Cabral, a famosa Igreja no Rio de Janeiro onde alguns ossos estão enterrados, a relação com o carneiro e, claro, detalhes da expedição que fez a fama do rapaz. Aperta o play!


THIAGO GOMIDE é jornalista e pesquisador. Foi apresentador e editor do Canal Futura e da MultiRio, ambos dedicados à educação. Escreveu e dirigiu o documentário "O Acre em uma mesa de negociação". Além de ser o responsável pelo conteúdo do Tá na História, atualmente edita e apresenta o programa A Rede, na Rádio Roquette Pinto ( 94,1 FM - RJ). 

A proposta do Tá na História é oferecer conteúdos que promovam conhecimento sobre personagens e fatos históricos, principalmente do Brasil. Tudo isso, claro, com bom humor e muita curiosidade. 


Imagem: Domínio Público, via WIkimedia Commons