meio ambiente

Diabos da Tasmânia retornam à Austrália 3 mil anos depois de serem extintos

O diabo da tasmânia foi extinto da porção continental da Austrália há cerca de 3 mil anos. Depois disso, esses marsupiais carnívoros só eram encontrados na ilha da Tasmânia, no sul australiano. Agora, em uma iniciativa inédita, esses animais começam a ser reintroduzidos na natureza no local de onde eles desapareceram há milênios.

Segundo a ONG Aussie Ark, responsável pelo projeto, 26 diabos da tasmânia foram soltos em um santuário de 400 hectares. Nos próximos dois anos, mais 40 animais devem ser liberados na natureza. Se tudo correr como planejado, os animais se reproduzirão e darão origem a uma população selvagem autossustentável.

Os diabos da tasmânia serão monitorados por meio de coleiras com transmissores de rádio, armadilhas fotográficas e pesquisas regulares. Isso permitirá com que os pesquisadores observem os desafios enfrentados pelos animais, o que estão comendo e se estão se reproduzindo. "Em 100 anos, vamos olhar para este dia como o início da restauração ecológica de um país inteiro", disse Tim Faulkner, presidente da Aussie Ark. 

O desaparecimento dos diabos da tasmânia da Austrália continental aconteceu principalmente porque eles serviam de presa para os dingos (cães selvagens introduzidos na natureza por nativos há cerca de 3500 anos). Os animais sobreviveram apenas na ilha da Tasmânia porque os dingos nunca chegaram até lá. Mas mesmo os diabos da tasmânia  que vivem na ilha enfrentam risco de extinção. Nos últimos anos, uma doença chamada DFTD ("Devil Facial Tumor Disease" ou Doença do Tumor Facial do Diabo, em tradução livre), único tipo conhecido de câncer contagioso, dizimou 90% da população selvagem dos animais. Apenas 25 mil deles existem hoje na natureza. 


Fontes: CNN e Aussie Ark

Imagens: Shutterstock.com