MÚSICA CLÁSSICA

Estudo afirma que Beethoven não era tão surdo como se acreditava

Por: HISTORY Brasil

Um dos fatos mais conhecidos a respeito da história da música clássica diz respeito à surdez de Ludwig van Beethoven. Agora, essa certeza foi posta à prova: o professor da Universidade de Kent, nos Estados Unidos, Theodore Albrecht, publicou os resultados de uma pesquisa que sustenta que o genial compositor alemão não era completamente surdo. Segundo ele, o músico podia ouvir, mesmo que muito pouco, com seu ouvido esquerdo.

O estudo se baseia na análise de documentos e cadernos de conversas que o gênio da música utilizava para dialogar com seus interlocutores por meio da escrita. Neles, o próprio Beethoven confirma que, apesar da perda da audição, ele conseguia ouvir, mesmo que somente às vezes e sem compreender totalmente o que escutava.  O gênio começou a ficar surdo em 1798, mas Albrecht afirma que ele foi capaz de ouvir parcialmente a estreia de sua obra, a Nona Sinfonia, em 1824.



Acredita-se que Beethoven chegou a fazer uso de cornetas acústicas (aparelhos tubulares em forma de corneta que auxiliavam na audição), para tentar contornar o problema. Mas em uma das anotações de seus cadernos, Beethoven escreve que não recomenda o uso do dispositivo pois ele teria agravado seu problema.  "Ao me abster de usá-la, consegui preservar a audição de meu ouvido esquerdo", escreveu ele em 1823. 

Em uma anotação do ano seguinte registrada em um caderno de conversas, um outro músico diz a Beethoven que o compositor poderia reger a abertura de um concerto, mas aconselhava o gênio a não atuar durante todo o espetáculo para não comprometer ainda mais sua audição.  Albrecht acredita que Beethoven preservou ao menos uma parte de sua capacidade de ouvir até 1827, quando morreu.




Fonte: The Guardian 

Imagens: Shutterstock.com