ALASKA

Estudo indica que podemos prever o futuro

Um estudo demonstra que existem bases científicas para afirmar que a premonição é uma faculdade real da percepção humana, e que a informação é capaz de viajar do futuro ao passado. A meta-análise foi realizada em cima de 90 experiências conduzidas em 14 países diferentes. O resultado positivo foi alcançado mesmo com as grandes diferenças culturais entre eles.  O experimento controverso se baseou no trabalho do psicólogo social Daryl Bem, realizado na Universidade Cornell de Nova York em 2010.   A comprovação da existência de um efeito pré-cognitivo no homem, sugerindo que o ser humano é capaz de perceber acontecimentos que ainda não ocorreram e, mais ainda, que os eventos do futuro podem afetar o passado, causou uma polêmica instantânea na época em que foi publicado no prestigiado Journal of Social and Personality Psychology. O estudo “Sentindo o Futuro” se transformou em fortes desqualificações acadêmicas para o professor Bem. O novo experimento se baseia na medição das indicações fisiológicas de respostas emocionais dos participantes em um teste no qual tiveram que assistir a imagens em uma tela de computador. Emocionalmente, a maioria das imagens apresentadas foi neutra. Repentina e aleatoriamente, uma imagem perturbadora ou erótica foi apresentada no meio da sequência de imagens ingênuas. Enquanto respostas emocionais ocorreram naturalmente assim que as imagens foram mostradas na tela, é curioso notar que, no caso das imagens perturbadoras, as respostas de excitação ocorreram dois ou três segundos segundos antes de serem apresentadas, antes mesmo  do computador decidir que imagem apresentar, fosse a imagem estimulante ou não.  “A pré-cognição e a premonição são, em si, casos especiais de um fenômeno mais generalizado: a anômala influência retroativa de eventos futuros nas reações de um indivíduo no presente através de respostas conscientes ou inconscientes, cognitivas ou afetivas”, supôs o professor Bem.  

Veja também
 
  Fonte: Pijamas Surf  

 

 

Imagem: John William Waterhouse [Public domain], via Wikimedia Commons