BIOLOGIA

Evolução: nascem mais crianças sem dentes do siso e com novos ossos

A evolução das espécies, mesmo sendo lenta em termos relativos, nunca para. No caso dos humanos, pode-se verificar na mutação que estão sofrendo a dentição e a estrutura óssea, segundo um estudo da Universidade Flinders de Adelaide (Austrália). A pesquisa explica por que cada vez mais crianças nascem sem dentes do siso ou com uma nova artéria. De acordo com os pesquisadores, a humanidade está evoluindo a um ritmo mais rápido do que em qualquer momento nos últimos 250 anos.

“Isso vem acontecendo com o tempo, enquanto aprendemos a utilizar o fogo e a processar mais os alimentos. Muitas pessoas estão nascendo sem os dentes do siso”, afirmou a doutora Teghan Lucas, autora do estudo, em entrevista ao jornal britânico The Independent. A equipe da pesquisadora também observou um número crescente de pessoas que nascem com ossos adicionais em seus braços e pernas, rostos mais curtos ou com conexões anormais de dois ou mais ossos dos pés.

Além disso, durante o último século, triplicou a incidência da chamada artéria mediana. Ela se forma enquanto o bebê está no útero, sendo o principal vaso que fornece sangue ao antebraço e à mão, mas normalmente desaparece durante a gestação, quando é substituída pelas artérias radial e ulnar. “Desde o século XVIII, os anatomistas têm estudado a prevalência dessa artéria em adultos e nossa pesquisa mostra que sua incidência está claramente aumentando”, disse Lucas.

Segundo Lucas, a prevalência da artéria mediana era de cerca de 10% nas pessoas nascidas em meados da década de 1880, em comparação com 30% nas nascidas no final do século 20. “Se essa tendência continuar, a maioria das pessoas terá uma artéria mediana do antebraço em 2100”, completou.


Fonte: The Independent

Imagem: Shutterstock.com