SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

“Exército Fantasma”: batalhão secreto conseguiu enganar nazistas usando tanques infláveis

Além da força militar, os Aliados contaram com uma boa dose de criatividade para vencer a Segunda Guerra Mundial. Uma das estratégias mais brilhantes para driblar os nazistas foi o uso do "Exército Fantasma". Essa unidade secreta consistia em tanques infláveis, transmissões de rádio falsas e efeitos sonoros que serviam para confundir os inimigos. 

Oficialmente, a unidade de mentirinha fazia parte das tropas especiais do Exército dos Estados Unidos. O grupo tinha participação de artistas, oficiais e técnicos de som que participavam da criação e execução das estratégias ilusionistas. Entre 1944 e 1945, eles participaram de mais de 20 missões, muitas delas próximas das linhas de frente de batalhas.

O Exército Fantasma foi descrito como "a primeira unidade móvel, multimídia e de engano tático da história do Exército dos EUA". Sua criação foi baseada em uma estratégia semelhante usada por tropas britânicas no norte da África em 1942. Naquela ocasião, durante a Operação Bertram, o Exército do Reino Unido usou mais de dois mil veículos falsos para enganar os nazistas a respeito da posição de seus soldados. O plano foi bem-sucedido.

O líder do Exército Fantasma era o coronel Harry L. Reeder, que supervisionava os 82 oficiais do exército e 1.023 recrutas que faziam parte da unidade. Entre eles estavam estudantes de arte do Programa de Camuflagem Industrial do Pratt Institute em Nova York, o estilista Bill Blass, o fotógrafo Art Kane e o pintor Ellsworth Kelly. Uma das principais estratégias consistia na criação de veículos e tanques infláveis. Esses elementos de cena podiam ser facilmente transportados e cumpriam sua função de enganar nazistas. De longe, os equipamentos pareciam autênticos.

Além da ilusão visual dos tanques infláveis, o Exército Fantasma também confundia os inimigos por outros meios. Técnicos criavam mensagens falsas de rádio e telegrafia, imitando até mesmo o estilo de "digitação" de código morse de operadores de unidades específicas. O uso do som também fazia parte da estratégia da unidade. Grandes alto-falantes eram posicionados próximos de tropas alemãs para transmitir sons de treinamento militares e de construção de pontes, causando a impressão que os Aliados estavam avançando. 

A missão de maior sucesso do Exército Fantasma foi a Operação Viersen, que aconteceu de 18 a 24 de março de 1945. Naquela ocasião, foram usados 600 veículos infláveis, uniformes falsos que imitavam a indumentária de soldados de outras unidades e gravações da construção de pontes flutuantes. Assim, os Aliados conseguiram enganar os alemães, fazendo-os acreditar que a 30ª Divisão de Infantaria e a 79ª Divisão de Infantaria estavam se preparando para cruzar o Rio Reno. A estratégia funcionou: os nazistas deslocaram a maior parte de suas defesas para lá, bombardeando tropas que não existiam. 

Apesar de sua importância, por muito tempo a história do Exército Fantasma permaneceu desconhecida. Sua existência só foi revelada ao mundo nos anos 1990, quase cinquenta anos após o fim da Segunda Guerra.


Fonte: Live Science

Imagens: National Archives Catalog e National WWII Museum