VIDA EXTRATERRESTRE

Existe vida alienígena em lua de Saturno? Presença de metano pode indicar que sim

Novo estudo sugere possibilidade de que haja seres vivos em oceano oculto pelo gelo
Por: HISTORY Brasil

Um novo estudo sugere que a presença de metano na atmosfera de Encélado, uma das luas de Saturno, pode indicar a presença de vida. Segundo pesquisadores, a substância pode ser fruto de um processo desconhecido que acontece no oceano oculto sob a superfície gelada do satélite natural. Uma das hipóteses é que ela esteja sendo produzida por algum tipo de ser vivo.

Micróbios extraterrestres?

Em 2005, a sonda Cassini, da NASA, descobriu gêiseres lançando partículas de gelo de água que se originam de fraturas perto do polo sul de Encélado. Acredita-se que esse material venha de um imenso oceano de água líquida que "espirra" sob a casca gelada da lua, formando uma pluma. Além de água, a pluma contém altas concentrações de outras substâncias, como di-hidrogênio, metano e dióxido de carbono.



Segundo os pesquisadores, essas  moléculas são geralmente associadas a fontes hidrotermais no fundo dos oceanos da Terra. "Queríamos saber: será que micróbios semelhantes aos da Terra, que 'comem' o di-hidrogênio e produzem metano, explicam a quantidade surpreendentemente grande de metano detectada pela Cassini?" questionou Régis Ferrière, professor do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade do Arizona.

Mas como comprovar essa hipótese? "A busca por tais micróbios, conhecidos como metanógenos, no fundo do mar de Encélado exigiria missões de mergulho profundo extremamente desafiadoras que só poderão ser realizadas após algumas décadas", disse Ferriére. Para contornar o problema, sua equipe construiu modelos matemáticos para calcular a probabilidade de que diferentes processos, incluindo a metanogênese biológica, pudessem explicar os dados da Cassini.



Os autores do estudo aplicaram novos modelos matemáticos que combinam geoquímica e ecologia microbiana para analisar os dados da pluma de Encélado e modelar os possíveis processos que explicariam melhor a presença das moléculas detectadas pela Cassini. Eles concluem que os dados são consistentes com a atividade microbiana de fonte hidrotérmica ou com processos que não envolvem formas de vida, mas são diferentes dos que ocorrem na Terra.

"Obviamente, não estamos concluindo que existe vida no oceano de Encélado", disse Ferrière. “Em vez disso, queríamos entender a probabilidade de que as fontes hidrotermais de Encélado pudessem ser habitadas por microorganismos semelhantes aos da Terra. De acordo com nossos modelos, os dados da Cassini nos dizem que muito provavelmente isso poderia acontecer", completou.

VER MAIS


Fontes: Space.com e Universidade do Arizona

Imagens:  iStock.com e NASA/JPL-Caltech