ARQUEOLOGIA

"Fábrica" de vinho de 2600 anos da civilização fenícia é encontrada no Líbano

Historiadores acreditam que os antigos fenícios desempenharam um papel importante na popularização do vinho na região do Mediterrâneo. Agora, pela primeira vez, pesquisadores encontraram no sítio arqueológico fenício de Tell el-Burak, no Líbano, uma prensa usada em uma "fábrica" da bebida que funcionou durante a Idade do Ferro. Estima-se que as ruínas tenham cerca de 2600 anos.

Desde 2001, pesquisadores alemães e libaneses fazem escavações em Tell el-Burak. Lá estãos as ruínas de um pequeno povoado fenício, habitado do final do século VIII a.C. a meados do século IV a.C. Esse antigo assentamento era limitado a sudoeste e sudeste por uma parede de de 2,5 metros de largura. Recentemente, ao sul de uma dessas paredes, arqueólogos encontraram uma prensa de vinho bem preservada. Um estudo sobre a descoberta foi publicado na revista Antiquity. 

Os pesquisadores acreditam que as pessoas que viviam no assentamento fenício levavam uvas colhidas em uma região próxima para a “fábrica” de vinho. Lá, as frutas eram esmagadas e liquefeitas com os pés, dentro de prensas. Essas estruturas eram constituídas por dois compartimentos separados: as uvas eram pisoteadas na parte superior, enquanto na extremidade inferior havia um depósito de líquido.

Depois que as uvas eram esmagadas, o suco era canalizado para uma grande panela onde os lotes prensados seriam fermentados para a produção de vinho. Estima-se que cerca de 1.200 galões da bebida pudessem ser armazenados lá. Estudos anteriores sugerem que o vinho produzido pelos fenícios não era apenas produzido e consumido localmente. Provavelmente a bebida também era comercializada além dos territórios mediterrânicos, originando a cultura do vinho que persiste até hoje.


Imagem: Tell el-Burak Archaeological Project/O. Bruderer/Divulgação


Fontes: All That is Interesting e University of Tübingen, via Phys.org

Imagem:Tell el-Burak Archaeological Project/University of Tübingen/Divulgação