CURIOSIDADES

A história dos russos importados para “branquear” o Havaí

Por: HISTORY Brasil

Como 1.500 trabalhadores chegaram ao Havaí no início do século XX? Que consequência teve essa imigração no único território não americano dos EUA?

A história começa com a necessidade de mão de obra para a incipiente indústria açucareira. Os primeiros a chegarem ao arquipélago para ganhar a vida nas plantações de açúcar foram os japoneses, mas eles rapidamente começaram a reclamar das más condições de trabalho. Foi então que os donos das terras concordaram que deveriam ser contratados “trabalhadores brancos”.

[VEJA TAMBÉM: Como um enorme lago na Bolívia evapora e vira um deserto?]

A.V. Perelestrous, um empreendedor russo, viajou à Rússia para recrutar trabalhadores. E vários proletários siberianos toparam embarcar nessa estranha viagem que eles imaginavam que fosse para uma ilha paradisíaca. Já no navio começaram os problemas: o surgimento de casos de sarampo fez com que houvesse uma quarentena geral. Ao chegar a Honolulu, eles foram levados a um acampamento e lá foram deixados, quase como uma atração de circo, sem sequer um intérprete que pudesse traduzir suas necessidades e que fizesse uma mediação entre eles e os nativos nas disputas causadas por diferenças culturais.



O experimento durou pouco: afetados pelo clima diferente e sem a possibilidade de se integrarem na sociedade – não havia sequer uma igreja em que pudessem se reunir ou uma escola para onde mandar seus filhos –, muitos dos russos abandonaram o Havaí rumo a outros destinos na América do Norte. 

Anos depois, com a revolução bolchevique, Vladimir Lenin propôs a volta dos imigrantes que estavam em Honolulu. Alguns voltaram, mas outros preferiram ficar, conservando uma estranha genealogia siberiana em um arquipélago distante da Polinésia.

 




Fonte: La Nación
Imagem: Deborah Kolb/Shutterstock.com