RELIGIÃO

A história dos santos católicos que podem ter sido um casal homossexual

Há alguns dias o papa Francisco defendeu que os homossexuais precisam ser protegidos por leis de união civil. A declaração causou acalorados debates entre os católicos, já que o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo é considerado pecado. Mas alguns pesquisadores acreditam que até mesmo santos da antiguidade podem ter sido gays.

De acordo com o historiador John Boswell (1947-1994), que foi professor na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, os soldados romanos Sérgio e Baco, que se tornaram santos após terem sido mortos como mártires na Síria, no século IV, possivelmente formavam um casal. No livro Same-Sex Unions in Pre-Modern Europe (Uniões de Mesmo Sexo na Europa Pré-Moderna, em tradução livre), o pesquisador se baseou em um relato grego do século V e em uma imagem representando os santos datada do século VII para desenvolver sua teoria.

O historiador afirma que a maneira como os santos são descritos no texto "A Paixão dos Santos Sérgio e Baco", escrito por volta do ano de 425, sugeriria que eles tinham um relacionamento homoafetivo. Segundo ele, a expressão "unidos por um amor um ao outro", é parecida com descrições da época para "casais heterossexuais casados". O autor diz ainda que eles também teriam tomado parte de um ritual antigo de "irmandade" chamado de adelphopoiesis, assumindo um vínculo afetivo perante a Igreja. Para o historiador, essa ligação muitas vezes servia para legitimar uma união homossexual.

Segundo "A Paixão dos Santos Sérgio e Baco", os dois eram cidadãos romanos e oficiais de alta patente no exército romano. Sua conversão ao cristianismo foi descoberta quando eles se recusaram a oferecer sacrifícios ao deus Júpiter na companhia o imperador Galério. Por isso, ele foram acorrentados, vestidos com roupas femininas e exibidos em desfile pela cidade. De acordo com o relato, Baco morreu por não ter resistido a torturas enquanto Sérgio foi decapitado.

O mais antigo ícone sacro conhecido de Sérgio e Baco, uma imagem do século VII, também serviria para comprovar a tese de Boswell. Nela, os santos são representados lado a lado tendo a figura de Cristo, menor, entre eles. Segundo o pesquisador, a posição em que eles são retratados é equivalente a como casais eram representados na Roma Antiga (nas gravuras romanas, alguma divindade ocupava o lugar de Jesus, simbolizando a bênção à união).

As afirmações de Boswell são alvo de controvérsia. Outros pesquisadores questionam a tese defendida por ele. Em entrevista à BBC, o teólogo e filósofo Fernando Altemeyer Júnior, chefe do departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) classificou a teoria como "um abuso histórico sem base documental". Já José Luís Lira, fundador da Academia Brasileira de Hagiologia afirmou que "não há uma prova evidente" da homossexualidade dos santos.


Fonte: BBC Brasil

Imagens: Autor Desconhecido/ Museu de Arte Oriental, via Wikimedia Commons