GUERREIROS

Ministro russo quer clonar guerreiros mortos há 3 mil anos para montar exército

Citas ficaram famosos pela selvageria: eles usariam os crânios dos inimigos como canecas e beberiam seu sangue.
Por: HISTORY Brasil

No final da década de 1990, arqueólogos fizeram uma descoberta extraordinária na República de Tuva, na Rússia. Escavações revelaram os esqueletos de guerreiros Citas e seus cavalos, enterrados no local há cerca de três mil anos. Agora, Sergei Shoigu, ministro da Defesa da Rússia, anunciou um plano de cloná-los para fazer um exército.

Exército de clones

As intenções do ministro foram reveladas durante uma audiência com membros da Sociedade Geográfica da Rússia, com a participação remota do presidente Vladimir Putin. Shoigu sugeriu que o material genético dos guerreiros, que ficou preservado no permafrost (camada permanente de gelo), teria o potencial para criar um exército de clones. 



“Claro, gostaríamos muito de encontrar material orgânico e acredito que você entende o que viria depois disso”, disse ele. “Seria possível fazer algo com isso, talvez como Dolly, a Ovelha. Em geral, será muito interessante”, completou. Alguns analistas acreditam que a fala sobre a clonagem de guerreiros sirva como distração para o fato de a Rússia ter enviado 100 mil soldados para a fronteira com a Ucrânia, aumentando a tensão entre os dois países.

Os Citas eram uma tribo nômade que migrou da Ásia Central para a Rússia Meridional. Esse povo viveu no sul da Sibéria entre os anos 900 a.C e 200 a.C. Seus guerreiros tinham fama de selvagens: eles usariam os crânios dos inimigos como canecas e beberiam seu sangue.



VER MAIS:


Fontes: All That is Interesting e Daily Mail

Imagens: Alexey Mikhailov/Sociedade Geográfica da Rússia