ESPAÇO

A NASA divulgou que um asteroide vai se chocar contra a Terra em 2022? Não!

Por: HISTORY Brasil

Nos últimos dias, diversos sites deram uma notícia dizendo que a NASA teria divulgado que um asteroide gigante iria colidir com a Terra no dia 6 de maio de 2022. Mas a história é bem diferente. Na verdade, as chances de impacto do objeto (que não é muito grande) contra o nosso planeta são extremamente remotas.

E o que há de verdade nisso tudo? Bem, um asteroide chamado 2009 JF1 realmente vai se aproximar da Terra na primeira semana de 2022, mas a probabilidade que ele atinja o nosso planeta é de 0,026%, ou seja, 1 em 3.800. Além disso, por medir apenas 13 metros de diâmetro, ele não é considerado pela NASA como um objeto potencialmente perigoso. Caso caísse na Terra, seria destruído ao entrar na atmosfera.



A notícia falsa de que o objeto se chocaria contra a Terra se originou da interpretação incorreta de uma tabela automática da NASA que analisa o risco em potencial causado por asteroides próximos. O sistema monitora o espaço todos os dias em busca das possibilidades de impacto de asteroides durante os próximos 100 anos. Os objetos são classificados de acordo com seu tamanho, velocidade, dimensões e data de aproximação.

A tabela da NASA que foi mal interpretada mostra que o objeto 2009 JF1 estará mais próximo da Terra no dia 6 de maio de 2022. Mas os dados indicam que ele ocupa o quinto lugar na escala de Palermo, apresentando o índice -2.88. “Isso não significa que seja o quinto mais perigoso ou destrutivo para a Terra, mas é o quinto com o menor valor na escala de Palermo, que mede a ameaça de um possível impacto”, disse o divulgador científico Álex Riveiro ao portal colombiano Semana.com. Já na escala de Turim, que classifica o risco de colisão e o potencial destrutivo de asteroides e cometas, o risco de colisão do 2009 JF1 contra a Terra aparece como zero.

Pelos critérios da NASA, são considerados potencialmente perigosos os objetos com mais de 140 metros de diâmetro que se aproximam do nosso planeta a uma distância de 0,05 unidades astronômicas (ou seis milhões de quilômetros). 




Fontes: Semana.com e CNN

Imagens: Shutterstock. com e NASA/Reprodução