DOENÇAS

Nossa pele está absorvendo a poluição

Ajude a proteger nossas florestas e fontes de água. O HISTORY acredita que todos devemos manter nossas florestas vivas para que continuem sendo o melhor espetáculo para nossas futuras gerações, afinal de contas, nossa viagem só está no começo. Junte-se a nós e faça parte da equipe!

Quando nos alertam sobre a poluição do ar, muitas vezes pensamos nos perigos para os nossos pulmões e nas doenças respiratórias. Mas uma pesquisa recente aponta que alguns poluentes encontrados no ar, incluindo um grupo de produtos químicos chamados ftalatos, podem ser absorvidos diretamente pela pele. O estudo, publicado na revista Environmental Health Perspectives, descobriu que a absorção cutânea de certos ftalatos é comparável ao da inalação.

[VEJA TAMBÉM: Vacina promissora contra AIDS será testada em humanos pela primeira vez]

Essa substância pode ser encontrada em uma enorme gama de produtos: desde brinquedos sexuais a pinturas, ou seja, os ftalatos estão onipresentes na vida moderna. Conhecido como "plastificantes", eles são muitas vezes adicionados a plásticos para torná-lo mais flexíveis, duráveis e transparentes. Ao mesmo tempo, eles facilmente libertados a partir dos produtos aos quais eles são adicionados, e são frequentemente liberados no ambiente. Eles são tão comuns no ar que respiramos e, especificamente, na comida que comemos, que, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (da sigla em CDC), nos EUA, a maioria dos americanos possuí níveis mensuráveis ​​de ftalatos em sua urina.

Embora a Food and Drug Administration diga que "não são claros os efeitos, se houverem, dos ftalatos sobre a saúde humana", e que os níveis detectados em humanos são baixos demais para haver preocupação, alguns tipos de ftalatos que podem estar associados a problemas respiratórios ou diabetes e que sua absorção pela pele é maior do que pela inalação. Considerando que a pele é o maior órgão do nosso corpo, essa conclusão não seria uma surpresa. Vale ressaltar que ainda são necessários outros estudos sobre o assunto, já que o estudo em questão usou uma pequena amostragem de pessoas e foi realizado em condições que não reproduzem exatamente a vida real.

CLIQUE AQUI E AJUDE A PRESERVAR PAISAGENS INCRÍVEIS.

Fonte: IFL Science

 Imagem: Fotos593/Shutterstock.com