ASTROFÍSICA

O universo está cheio de ouro e ninguém sabe o porquê

Um estudo publicado no The Astrophysical Journal tenta explicar por que grandes quantidades de ouro são encontradas no espaço. Até hoje não se sabe a origem desse material. A pesquisa, liderada por Chiaki Kobayashi, astrofísica da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, aponta que a quantidade do metal precioso encontrada fora Terra é maior do que se imaginava. 

Até agora, a explicação mais aceita para a origem do ouro no universo está nas colisões entre estrelas de nêutrons. Segundo os pesquisadores, para formar uma única partícula de ouro, é necessário formar núcleos atômicos compostos por 79 prótons e 118 nêutrons cada. Esses tipos de colisões estelares teriam justamente a capacidade de criar essas partículas. Frutos dessas colisões, muitos meteoritos contendo ouro teriam caído na Terra quando o planeta estava em formação, o que explicaria a presença do metal precioso no nosso planeta.

Mas o estudo afirma que apenas as colisões de estrelas de nêutrons não seriam suficientes para explicar a quantidade do metal existente no universo. Esses tipos de reações são tão raros que é improvável que seja a explicação para a origem de todo o metal. Outra possível fonte do ouro seria a extinção de supernovas.

Por esse motivo, Kobayashi está em busca de outras possíveis justificativas que ajudem a entender a presença desse material. Para a cientista, existem duas explicações possíveis para o ouro espacial: a existência de algum processo desconhecido, ou que as colisões de estrelas de nêutrons e explosões de supernova  ejetem maiores quantidades de ouro do que o previsto pelos modelos existentes. Novos estudos serão necessários para comprovar se alguma dessas teorias está correta.


Fontes: BBC e Live Science

Imagens: Shutterstock.com