animais

Ossos de cachorro de estimação da Idade da Pedra são encontrados na Suécia

A ossada de um cachorro enterrado há 8400 anos foi encontrada na Suécia em um sítio arqueológico que data da Idade da Pedra. Segundo os arqueólogos junto com o túmulo do animal estavam vestígios de objetos humanos, possivelmente fragmentos de facas ou machados. Os especialistas acreditam que os artefatos tenham sido colocados ali como um sinal de respeito ao cão.

De acordo com o Museu Blekinge esse é uma das mais antigas sepulturas de cão já encontradas na Suécia. Os restos mortais do animal foram localizados nas proximidades de um assentamento humano da Idade da Pedra, o que os arqueólogos consideram algo incomum para a época. Vestígios de 51 casas pré-históricas também foram identificados no local.

Segundo o arqueólogo Carl Persson, túmulos de cães com "presentes" como machados e facas são uma indicação de que os caçadores da Idade da Pedra tinham um relacionamento próximo com os cachorros. “Há outros exemplos daquela época em que alguns cães receberam os mesmos presentes que os humanos. Nenhum cachorro precisa de um machado, mas como ele é o melhor amigo do homem, é claro que ele também merece ter um”, disse ele. De acordo com os especialistas, o animal pertencia a uma raça ancestral de cães. “Não existe uma raça atual com a qual seja possível compará-lo, mas ele possivelmente se assemelhava a um elkhound sueco mais robusto”, disse o osteólogo Ola Magnell.

Apesar de a sepultura do cachorro ter sido encontrada nas proximidades do assentamento, os arqueólogos não encontraram ossos humanos na região. Os especialistas especulam que a área destinada para enterros humanos ficasse em um local com um terreno mais ácido, o que teria impossibilitado a conservação das ossadas das pessoas que habitavam a região em um passado remoto. Já o local onde os restos mortais do cão foram encontrados apresenta condições mais propícias para a preservação de ossos.


Fonte: Sputnik e Aftonbladet

Imagem: Carl Persson/Blekinge Museum/Reprodução