ARQUEOLOGIA

Pesquisadores afirmam que encontraram o lendário Cavalo de Troia

Restos de madeira foram localizados dentro das muralhas da antiga cidade
Por: HISTORY Brasil

Arqueólogos afirmam que encontraram os restos do lendário Cavalo de Troia. A descoberta foi feita no sítio arqueológico onde acredita-se que ficava a antiga cidade, na Turquia. De acordo com a tradição, o artefato de madeira foi decisivo na vitória dos gregos contra os troianos na guerra que teria acontecido em algum período entre 1300 a.C. e 1200 a.C. 

Tábuas do Cavalo de Troia

Durante as escavações no sítio arqueológico localizado nas colinas de Hisarlik, os pesquisadores se depararam com uma grande estrutura de madeira que acreditam ser os resquícios do Cavalo de Troia. Segundo eles, foram encontradas dezenas de tábuas feitas de abeto (árvore conífera) e vigas de até 15 metros de comprimento. O que chamou a atenção dos especialistas foi o fato de que as peças estavam montadas de uma forma estranha.




Antiga gravura retratando o Cavalo de Troia

Segundo os arqueólogos, a estrutura de madeira foi encontrada justamente dentro das muralhas da antiga cidade. Além disso, análises feitas nas tábuas indicam que elas realmente podem ser do período da Guerra da Troia. Os professores Christine Morris e Chris Wilson, da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, afirmam que os testes de radiocarbono concluíram que as peças datam de alguma época entre os séculos XII e XI a.C.

“Isso coincide com as datas citadas para a Guerra de Troia por muitos historiadores antigos, como Eratóstenes ou Proclo. A montagem da obra também coincide com a descrição feita por muitas fontes. Não quero parecer muito confiante, mas tenho certeza de que encontramos a coisa real!”, afirmou Morris. Segundo a lenda, os gregos ofereceram um enorme cavalo de madeira aos troianos como oferta de paz. A estratégia foi usada para enganar os inimigos, pois dentro da estrutura estavam escondidos guerreiros gregos que atacaram a cidade após conseguirem entrar em suas muralhas. 



VER MAIS


Fonte: The Jerusalem Post

Imagens: iStock e Wikimedia Commons