MOEDAS

Polícia investiga "caçadores de tesouros" que retiraram moedas do século XIX de quintal no Pará

Moradores de Colares, no interior do Pará, se surpreenderam quando centenas de moedas antigas foram encontradas em um quintal. As peças, que seriam de bronze, cobre e ouro, datam do século XIX e foram encontradas com a ajuda de um detector de metais. O material foi retirado de lá de forma misteriosa e o caso foi parar na polícia.

Segundo a Secretaria de Cultura da cidade, moradores avisaram à prefeitura que um homem se identificando como professor de história entrou no terreno de uma moradora com um detector de metais. Ele estaria acompanhado de outras pessoas que teriam levado do local diversas moedas antigas. Acredita-se que os "caçadores de tesouro" sejam de outra cidade.



Depois disso, algumas das moedas teriam sido oferecidas em sites de compra e venda. Imagens nas redes sociais também mostram um carrinho de mão cheio de moedas. Ao menos uma das peças data de 1819, época em que nosso país fazia parte do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. A prefeitura registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil e acionou o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) para fazer um estudo sobre o terreno onde o tesouro foi achado.

A prefeita de Colares, Maria Lucimar, disse nas redes sociais que não sabe ao certo a procedência das moedas, mas que elas fazem parte da história do município. “Nossa história não está à venda. Já estamos tomando as medidas para ter de volta o patrimônio”, afirmou. As autoridades acreditam que possa haver mais relíquias no terreno. A área é próxima de onde ficava situado um dos portos do Grão-Pará, província que até 1889 também abrangia a área onde hoje ficam os estados do Amazonas, Amapá, Roraima e parte de Rondônia.



O IPHAN irá vistoriar o terreno para entender o caso e confirmar a autenticidade dos objetos. "Ressaltamos que artefatos arqueológicos possuem valor inestimável para a compreensão do passado e, no caso dos objetos encontrados em Colares, da ocupação do litoral paraense. A venda desses objetos é ilegal", disseram representantes do órgão ao UOL. Ouvido também pelo o UOL, o historiador Franck Coutinho afirmou que se a moeda com data de 1819 for autêntica, o item poderia valer R$ 15 mil no mercado de colecionadores, já que se trata de uma peça rara.


Fontes: UOL, G1 e Metrópole

Imagens: Prefeitura de Colares/Divulgação