IMPÉRIO ROMANO

Ruínas de palácio de Calígula são encontradas embaixo de edifício comercial em Roma

Arqueólogos encontraram as ruínas do palácio de Calígula sob um edifício comercial na área central de Roma. As escavações revelaram os restos da residência e do jardim que pertenceram ao infame imperador romano. Artefatos retirados do local, incluindo joias, moedas, ossos de animais e um broche de metal pertencente a uma guarda imperial serão exibidos ao público.

As escavações foram feitas durante três anos no subsolo de um prédio do século XIX, sede de uma empresa especializada em administrar fundos de pensão. Nas ruínas do palácio foram encontrados os restos de um luxuoso jardim ornamentado com fontes de água. Os arqueólogos acreditam que o local abrigava um zoológico onde viviam animais exóticos.

"As ruínas contam histórias incríveis, começando pelos animais", disse a Dra. Mirella Serlorenzi, do Ministério do Patrimônio Cultural da Itália. “Encontramos ossos de patas de leão, dentes de urso, além de ossos de avestruzes e veados. Podemos imaginar os animais correndo livres neste cenário encantado, mas também havia animais selvagens que eram usados para os jogos circenses particulares do imperador", explicou. Sementes de plantas exóticas também foram encontradas no local. 

A casa principal e os jardins foram construídos por Lucius Aelius Lamia, um rico senador e cônsul. Calígula assumiu a propriedade em 37 d.C. ao se tornar imperador. Mirella disse que ficou especialmente impressionada com uma escada de mármore branco ligando os diferentes níveis do jardim. “Podemos imaginar o imperador Calígula caminhando por esta escadaria monumental para apreciar o espetáculo de um palácio construído no modelo helenístico e oriental, que combinava grandeza arquitetônica e entusiasmo decorativo com monumentos dedicados  às ninfas aquáticas e fontes”, afirmou em entrevista ao The Times.

Calígula, o terceiro imperador de Roma, governou o Império Romano durante apenas quatro anos, de 37 d.C. a 41 d.C. Ele herdou o poder após a morte de Tibério, que havia determinado que dividisse o governo com seu primo Tibério Gêmelo. Mas, para governar sozinho, Calígula mandou matar o primo. 

O imperador, conhecido por sua crueldade e extravagância, chegou a proclamar-se deus supremo e criou um templo para sua própria adoração. Foi assassinado por um capitão da Guarda Pretoriana. 


Fontes: The Times e Daily Mail

Imagens: Soprintendenza Speciale Roma/Reprodução e Wikimedia Commons