RIO DE JANEIRO

Tabuada mais antiga do mundo é reconstruída na China

Um grupo de historiadores da Universidade de Tsinghua, de Pequim, reconstruiu a tábua de multiplicar de base decimal mais antiga do mundo. Trata-se de uma série de tiras de bambu. O objeto contém inscrições em uma caligrafia chinesa bem antiga que, quando decifradas corretamente, formam o instrumento com o qual se pode fazer cálculos extremamente complexos. Esta calculadora do ano 305 a.C, época anterior à unificação da China, se baseia em um sistema simples e preciso. A linha horizontal superior e a coluna da direita têm 19 números: a fração 0,5; números inteiros de 1 a 9 e múltiplos de 10 até o 90.    Depois de montar o quebra-cabeças (já que o artefato foi encontrado com as tiras soltas e sob uma grossa camada de lodo), os cientistas concluíram que se tratava de uma tábua de multiplicação, a mais antiga encontrada até hoje entre as baseadas no sistema decimal.  A tabuada deve ter sido utilizada para cálculos da superfície das terras e campos de cultivo, além dos impostos da época. Acredita-se que o objeto com suas 2.500 tiras de bambu, de 10 milímetros de grossura e meio centímetro de comprimento cada uma,  tenha sido retirado ilegalmente de um sítio arqueológico ou de uma antiga escavação.  Entregue aos historiadores por um doador,  o filantropo afirma ter adquirido a peça em um mercado de antiguidades de Hong Kong.  
Veja também