Início

A menina que relatou ter visto a Virgem Maria e cujo corpo não se decompôs após a morte

Bernadette Soubirous foi canonizada depois que um médico ganhador do Nobel avaliou seus milagres
Por History Channel Brasil em 18 de Fevereiro de 2022 às 22:47 HS
A menina que relatou ter visto a Virgem Maria e cujo corpo não se decompôs após a morte-0

Em 11 de fevereiro de 1858, Bernadette Soubirous, uma humilde  pastora de 14 anos que vivia com sua família em Lourdes, na França, relatou ter presenciado pela primeira vez a aparição da Virgem Maria. A partir daí, ela teria repetido a experiência em um total de 18 vezes. 

Criada no seio de uma família muito pobre e sem estudos, Bernadette se encontrava com sua irmã buscando lenha no bosque quando uma rajada de vento teria anunciado a aparição da Virgem. Segundo relatos, a Virgem sempre se comunicava com Bernadette em uma variante da língua occitana, chamada de patois, tratando-a de “você”, como quando a pediu: “Você me faria o favor de vir aqui durante quinze dias?”.

Imaculada Conceição

Bernadette foi interrogada pelo comissário local, que não acreditava em seus relatos e procurava desmontar o que considerava uma farsa. Nos registros do interrogatório, a menina inicialmente esclarece que ela não afirmou ter visto a Virgem, mas uma senhora vestida de branco que não havia se identificado. 

Bernadette Soubirous
Bernadette Soubirous


Mas, em 25 de março de 1858, a aparição revela seu nome, segundo um documento em texto de Bernadette: “Senhorita, teria a bondade de me dizer quem sois, por favor? […] Levantando os olhos ao céu e juntando as mãos na altura do peito, respondeu: ‘Sou a Imaculada Conceição’”.

Bernadette também descreve o momento em que a Virgem lhe indica um local no solo, para cavar com as próprias mãos, no qual mais tarde surgiria um manancial de água que até hoje permanece ativo na atual gruta de Massabielle.

Dr. Alexis Carrel
Dr. Alexis Carrel


Até hoje, em Lourdes aconteceriam curas inexplicáveis para a ciência. A Igreja Católica criou um departamento médico no local, formado por médicos e cientistas, que avalia cada um dos casos.  Entre outras coisas, essa equipe verifica se as curas são instantâneas, se são perduráveis no tempo e se são cientificamente explicáveis. Os relatórios de cada caso são abertos para toda a comunidade científica. 

Entre os casos de maior destaque, está o de Marie Bailly, cuja cura foi atestada por um médico agnóstico e contrário à doutrina católica, chamado Alexis Carrel. Sua experiência com esse caso o levou a se converter ao catolicismo

Milagre na gruta

Junto com outros médicos, Carrel se encontrava atrás de Bailly na gruta. Ela havia chegado ao local com uma peritonite tuberculosa aguda, que estendia seu abdômen e causava enormes massas rígidas. Após a água do manancial ter sido derramada sobre sua barriga, o suposto milagre aconteceu. 

O estômago começou a desinchar, o pulso voltou ao normal e Carrel, que tomava nota junto a outros médicos, escreveu: “O abdômen, enormemente distendido e muito duro, começou a desinchar. Em 30 minutos, havia desaparecido completamente. Não se observou nenhuma descarga pelo corpo”. 

Alguns anos mais tarde, o doutor Alexis Carrel recebeu o Prêmio Nobel de Medicina. Ele voltou a Lourdes para ser testemunha da cura de um garoto cego de um ano e meio de idade. 

Corpo de Bernadette Soubirous
Corpo de Bernadette Soubirous


Depois de ordenada, Bernadette tornou-se Irmã Maria Bernarda e nunca mais voltou à gruta de Lourdes. Depois de sofrer de tuberculose, ele morreu em 16 de abril de 1879, aos 35 anos. Suas últimas palavras foram: “Eu a vi de novo… Como ela é linda! Mãe, rogai por mim que sou pecadora”.

Depois de sepultada na Capela de São José, no jardim do convento, o seu corpo foi exumado três vezes e em cada uma delas foi atestada a incorruptibilidade dos seus restos mortais. Ou seja, seu corpo não se decompôs após a morte.

Hoje, ela repousa em um relicário na capela do convento de São Gildard, em Nevers. Ela foi proclamada santa pelo Papa Pio XI em 8 de dezembro de 1933.

Fontes
Infobae
Imagens
iStock e Domínio Público, via Wikimedia Commons