Início

Arquéologos lutam para preservar mosaicos de 2 mil anos na Turquia

Obras de arte decoravam as luxuosas casas na antiga cidade romana de Zeugma, que hoje pertence à Turquia.

Por volta do século 2 a.C., as ricas famílias gregas contratavam artistas para decorar suas luxuosas casas. Os temas variavam de acordo com o gosto e interesse intelectual do proprietário. Quando um hóspede chegava a uma casa dessas, era levado para as salas decoradas antes da bebida e comida serem servidas. A decoração estava também nos quartos, retratando, por exemplo, amantes como Eros e Telete.

Todo esse passado acabou soterrado com o passar dos séculos e, hoje, os arqueólogos trabalham duro para resgatar a história. Em Zeugma, cidade que hoje pertence à Turquia, o governo decidiu construir uma barragem que inundaria boa parte do patrimônio cultural e histórico escondido debaixo da terra. Os cientistas correram para salvar as relíquias. Entre elas, os famosos mosaicos de vidro da época do Império Romano.

Arquéologos lutam para preservar mosaicos de 2 mil anos na Turquia - 1

Zeugma tem uma história que remonta ao século 3 a.C, quando era uma cidade grega chamada Seleucia. Em 64 a.C., os romanos conquistaram e rebatizaram a cidade, que passou a se chamar Zeugma, que significa ponte ou passagem em grego antigo. Por séculos, Zeugma foi uma das mais importantes cidades do império romano oriental, graças a sua localização – fronteira entre o mundo greco-romano e o império persa.

Quando o império romano entrou em decadência em 253 d.C., Zeugma também se enfraqueceu e foi tomada pelos persas. Por mais de 1 mil anos, a história das ricas famílias locais foi completamente esquecida e literalmente soterrada.

Arquéologos lutam para preservar mosaicos de 2 mil anos na Turquia - 2

“Os mosaicos coloridos eram parte integrante das casas, retratando várias figuras mitológicas como deuses, deusas e heróis antigos. Eles eram um produto da imaginação e não simplesmente escolhidos de um catálogo de arte”, explica o professor Kutalmış Görkay, da Universidade de Ankara, que coordena as escavações na cidade.


Fonte: My Modern Met
Imagens: Ankara University