Início

Howard Carter: a história do arqueólogo que descobriu a tumba de Tutancâmon

Por History Channel Brasil em 18 de Março de 2021 às 12:28
Howard Carter: a história do arqueólogo que descobriu a tumba de Tutancâmon-0

Em 1922, o egiptólogo inglês Howard Carter tornou-se uma figura mundialmente reconhecida, ao descobrir em perfeitas condições no Vale dos Reis, no Egito, uma das relíquias mais importantes da história. Após três milênios escondida, a tumba do Faraó Tutancâmon finalmente havia sido encontrada.

Como Howard Carter descobriu a tumba de Tutancâmon

Depois de 15 anos de pesquisas, enquanto trabalhava para o aristocrata Lord Carnarvon, Carter e seu grupo tropeçaram em uma pedra . Na verdade, tratava-se de um degrau de uma escada antiga. Assim, o arqueólogo decidiu continuar as escavações, chegando até os restos de uma porta de barro onde várias figuras e hieróglifos foram encontrados.

Howard Carter: a história do arqueólogo que descobriu a tumba de Tutancâmon - 1

Algum tempo depois, eles encontraram uma placa na entrada contendo o nome do último monarca da família real da 17ª dinastia: Tutancâmon. Foi quando Carter e sua equipe encontraram uma grande quantidade de tesouros, incluindo peças de ouro e marfim, além de sofás, baús, tronos e altares.

Segundo especialistas, a tumba estava intacta e estima-se que abrigasse mais de 5 mil objetos de valor. Em seu interior também havia um sarcófago de pedra contendo três caixões, um dentro do outro. No último deles, estava a múmia do faraó, preservada por mais de três mil anos.

Howard Carter: a história do arqueólogo que descobriu a tumba de Tutancâmon - 2

Apesar da importância e do significado histórico da descoberta, Carter, que morreu aos 64 anos em 2 de março de 1939, nunca foi homenageado ou elogiado pelo governo britânico. No entanto, em 1926, ele recebeu a Ordem do Nilo do Monarca Fuad I do Egito. Além disso, foi nomeado membro honorário de várias instituições por suas descobertas fundamentais.


Fonte: La Nación

Imagens: Shutterstock.com e Domínio Público, via Wikimedia Commons