Hoje na história

21.nov.1830

Assassinato de Libero Badaró aumenta pressão para saída de Dom Pedro I

No dia 21 de novembro de 1830, um assassinato traiçoeiro desestabilizou ainda mais o frágil governo do imperador Dom Pedro I. Em São Paulo, morria, vítima de um atentado, Giovanni Battista Libero Badaró, jornalista, político e médico italiano radicado no Brasil. Nascido na Itália, na cidade de Laigueglia, em 1798, ele se mudou para os trópicos em 1826. Em solo brasileiro, tornou-se um liberal e viveu na cidade de São Paulo, onde atuava como médico e dava aulas gratuitas de matemática. Fundou o jornal O Observador Constitucional, em 1829, o que não era bem visto pelos absolutistas. Em São Paulo, alguns estudantes do Curso Jurídico fizeram uma campanha contra o governo monárquico. Os manifestantes tornaram-se criminosos para o ouvidor Cândido Ladislau Japiaçu e foram processados. O Observador Constitucional fez campanha em favor dos acusados e atacou Japiaçu. Desafeto de Japiaçu, Libero Badaró sofreu um atentado no dia 20 de novembro, às 22h, quando voltava para a sua casa na rua São José (hoje rua Líbero Badaró). Suas última palavras antes de morrer foram "morre um Liberal, mas não morre a Liberdade". No dia seguinte, ele faleceu e sua frase virou símbolo da liberdade de imprensa. Sua morte ganhou grande repercussão, com milhares de pessoas no seu enterro e mais de 800 tochas acesas. O principal responsável pelo assassinato foi um alemão, chamado Stock, que se escondeu na casa de Japiaçu. O alemão foi preso, mas Japiaçu, apesar de processado, acabou absolvido. Segundo historiadores, a ordem para matar Badaró pode ter partido de Dom Pedro I. O fato complicou ainda mais a situação política do imperador, criticado por sua postura autoritária. No ano seguinte, no dia 7 de abril de 1831, Dom Pedro I abdicou do trono e mudou-se para Portugal, deixando a coroa para o seu filho, Dom Pedro II, de apenas 14 anos.

 


Imagem: [Public domain], via Wikimedia Commons