ARQUEOLOGIA

Rara imagem de deus grego de 2 mil anos encontrada em Israel intriga pesquisadores

Arqueólogos encontraram uma rara imagem do deus grego Apolo durante escavações na Cidade de Davi, em Jerusalém. Os especialistas acreditam que a gravura tenha cerca de dois mil anos. O artefato era usado em documentos como uma espécie de selo ou carimbo.  O fato da peça representar uma divindade estrangeira intrigou os pesquisadores.

A gravura é esculpida em jaspe (pedra que era considerada preciosa na antiguidade) marrom-escura com resquícios de camadas em amarelo claro, marrom e branco. A imagem, que estava incrustada em um anel, data do século I d.C. (período do Segundo Templo). A peça tem formato oval e mede 13 mm de comprimento, 11 mm de largura e 3 mm de espessura.

Segundo os pesquisadores, a principal função da peça era ser usada como carimbo, servindo como assinatura em contratos, cartas, testamentos e outros documentos. A gravura retrata a cabeça de Apolo de perfil, com cabelos longos caindo sobre o pescoço, nariz grande, lábios grossos e queixo pequeno e proeminente. Apesar de Apolo ser uma divindade da cultura greco-romana, é provável que a pessoa que usava o anel com seu retrato fosse um judeu.

“Quando encontramos a joia, nos perguntamos:‘O que Apolo está fazendo em Jerusalém? E por que um judeu usaria um anel com a imagem de um deus estrangeiro?'. A resposta a isso, em nossa opinião, está no fato de que o dono do anel não o usava para expressar sua crença religiosa, mas como um meio de aproveitar o impacto que a figura de Apolo representa: luz, pureza, saúde e sucesso”, disse o arqueólogo Eli Shukron. No final do período do Segundo Templo, Apolo era uma das divindades mais populares e reverenciadas nas regiões do Mediterrâneo Oriental. 


Fonte: Jerusalem Post

Imagem: Eliyahu Yanai/City of David