ARQUEOLOGIA

Sutton Hoo: a incrível descoberta do tesouro do "Tutancâmon Britânico"

Edith Pretty era uma viúva que possuía uma propriedade em Sutton Hoo, no condado de Suffolk, na Inglaterra. Em 1938, ela contratou o arqueólogo amador Basil Brown para investigar alguns montes misteriosos que existiam no terreno. O estudo resultou na descoberta do que ficou conhecido como o tesouro do "Tutancâmon Britânico".

Em maio de 1939, Brown encontrou no terreno os restos de um barco funerário que continha uma câmara mortuária real do período Anglo-Saxônico. Acredita-se que ela tenha pertencido ao rei Rædwald, que governou o Reino da  nglia Oriental no século VII. Entre os tesouros descobertos havia um capacete de guerreiro, uma fivela de ouro, uma espada e um escudo.



A câmara mortuária foi localizada no centro do barco funerário, que media impressionantes 27,4 metros. Depois que uma equipe profissional de arqueólogos foi acionada para ajudar nas escavações, outros 250 artefatos foram encontrados no local. O tesouro continha peças como vasos para banquetes, chifres para beber, joias elaboradas, uma lira, um cetro, uma espada, pedras da Ásia, talheres de Bizâncio e moedas.



"O barco funerário de Sutton Hoo é uma das maiores descobertas arqueológicas de todos os tempos", disse Sue Brunning, do Museu Britânico. O achado ajudou a desvendar parte do mistério que envolve os quatro séculos entre a partida dos romanos e a chegada dos vikings à região, período sobre o qual se sabia muito pouco. A história dessa importante descoberta foi abordada no recente filme "A Escavação", de Simon Stone, estrelado por Ralph Fiennes e Carey Mulligan.


Fonte: BBC

Imagens: Museu Britânico; Jononmac46; Harold John Phillips e Colin Payne (minophis), via Wikimedia Commons